fbpx
O Sem Choro é um Guia Infantil voltado para os pais. A Criança é o tesouro. Nós somos o mapa.

Crianças que não comem. O que fazer?

Saúde e Bem Estar

O que fazer com crianças que não comem? A seletividade alimentar é um problema que tem sido recorrente.

Fonte: Primeiros Passos

A alimentação das crianças é assunto recorrente nos consultórios pediátricos, vão desde a quantidade até com quem querem comer. Mas a principal é o que querem comer! O que fazer com crianças que não comem?

O que é seletividade alimentar?

A seletividade alimentar é caracterizada pela recusa de algum alimento ou falta de interesse por um alimento que antes era aceito. Já pouco apetite é uma seletividade extrema, onde as escolhas são restritivas e podem ser uma consequência de uma falta de habilidade para comer ou interpretar os estímulos sensoriais dos alimentos.

Porque as crianças recusam alguns alimentos?

Esse comportamento é normalmente identificado pelos familiares por volta dos 2-3 anos de idade e apresenta alguns sinais característicos como:

  • Diminuição na quantidade e variedade de alimentos;
  • Aceita pelo menos um alimento por categoria, seja pela textura ou por valor nutricional;
  • Normalmente é capaz de tocar ou provar alimentos, embora apresente resistência;
  • Seleciona alimentos para comer por determinado tempo, que podem variar passado algumas semanas ou meses;
  • Requer mais de 20 a 25 apresentações para aceitar novos alimentos.

Como melhorar a alimentação das crianças?

A participação familiar é muito importante para ajudar na melhora da seletividade alimentar e todos pode contribuir com atitudes como: a manutenção de uma rotina de refeições com hora certa evitando o hábito da criança de beliscar entre as refeições, planejar a introdução de novos alimentos oferecendo primeiramente alimentos semelhantes em sabor e textura aos que ela já come e não comparar o comportamento alimentar dela com outras crianças.

A manutenção de hábitos alimentares saudáveis na infância pode ser um desafio, mas ingredientes como ajustes de rotina, a inclusão da criança na discussão sobre alimentação, o uso da criatividade na hora de apresentar novos alimentos e a paciência frente aos confrontos durante as refeições facilitarão no processo.

 

Cadastre-se abaixo e receba as novidades do Sem Choro.


Comentários