fbpx
O Sem Choro é um Guia Infantil voltado para os pais. A Criança é o tesouro. Nós somos o mapa.

Qual é o seu legado? O que você ensina para o seus filhos?

Crônica, Desenvolvimento e Educação, Paternidade

Você já pensou no futuro do seus filhos? Qual a visão que ele tem de sucesso? Quais os valores você ensina pra eles? Qual o seu legado?

Quem me acompanha por aqui no Sem Choro e em meus perfis pessoais sabe que estou escrevendo um livro (Seu Filho Vai Morar Com você?) e esse projeto está nascendo basicamente por eu ter tido experiências muito intensas na minha paternidade e na minha vida empreendedora.

De certa forma, a vida sempre me coloca em situações e problemas que é necessário muito esforço para resolver e muita superação para dar a volta por cima.

Esse ano mudei completamente minha rotina e, mais do que nunca, passo o tempo com meus filhos.

Em 2011 vivi uma experiência que me fez me preocupar ainda mais com o futuro do João. Em uma pelada de final de semana rompi dois ligamentos do tornozelo e fiquei de molho por alguns meses. Esse acidente me fez pensar que se algo de mais grave acontecesse comigo o João poderia ser jogado a própria sorte. Minha esposa não deixaria isso acontecer. Mas nem éramos casado nessa época e minha saída foi fazer um bom seguro de vida.

E no último mês de outubro, mais um susto me fez refletir sobre o que estamos deixando para nossos filhos!
O mês começou como o de maior desafio do ano. Os motivos são irrelevantes agora. Mas era daqueles meses em que você já inicia sabendo que vai precisar se desdobrar para cumprir todas as tarefas com o carinho e atenção que cada uma pede.

E, como já diz o ditado, “Não há nada tão ruim que não possa piorar”. No dia 17 de Outubro mais uma pedra foi colocada em meu caminho. Dessa vez no caminho de toda família.

Pela manhã, sofremos um assalto em nossa casa onde perdemos todos os eletrônicos e vários outros itens pessoais. Como eu trabalho em casa, todos os meus equipamentos foram roubados.

Em questão de minutos, eu estava praticamente falido. Muitos arquivos (que não estavam na nuvem) e praticamente todos os equipamentos de trabalho não existiam mais.

As primeiras 24 horas foram de desesperança e tristeza, naturalmente. Fiquei desolado durante um bom tempo. Eu e minha esposa revezávamos. Cada hora um consolava o outro. E ambos, consolavam o João. E o Marcelo, sem entender nada, trazia a alegria que a casa pedia.

Nos dias que sucederam, minha irmã colocou a notícia na internet em forma de uma “Vakinha” para nos ajudar a recuperar alguns equipamentos e iniciar novamente essa jornada.

E é nesse ponto que quero chegar.

 

Você colhe o que você planta

Sempre afirmo que quero que meus filhos sejam gentis, empáticos e honestos. Isso para mim está muito acima de qualquer cargo ou sucesso financeiro.

A definição de sucesso é individual e eu, sinceramente, prefiro que eles sejam pobres gentis do que ricos idiotas. Todos que convivem comigo e conhecem meu trabalho e meu jeito de ser, sabem dos meus valores e meus propósitos. O trabalho do Sem Choro por exemplo, é levar informação dos mais variados aspectos da infância para os pais. O PodCast, o Blog, os cadastros de lojas, eventos e os parceiros do Clubinho… cada uma dessas vertentes tem o simples objetivo de poupar o tempo e o bolso de quem cria uma criança. E propósitos assim conectam, geram empatia e trazem boas colheitas.

Após, a informação do assalto ter sido colocada na internet passei a receber dezenas de mensagens da minha família família, de amigos, de pessoas próximas, distantes e muitas das quais eu nem conheço.

Não consegui entender naquele momento como e porque essas pessoas estavam nos ajudando.

Com o passar dos dias, o susto e medo foram diminuindo e a esperança e união entre a gente tomando mais corpo.

Eu, que sempre vi o copo meio cheio, passei a retomar meu otimismo. Parei de lamentar os itens perdidos e a agradecer que algo muito pior poderia ter acontecido. Fisicamente, toda a família e as duas companheiras que trabalham em nossa casa e que estavam em casa no momento, não sofreram nem um arranhão. E isso, infelizmente, é um grande ponto positivo.

Várias pessoas, ao me ajudarem de alguma forma, me davam a mesma resposta: “Você faria o mesmo”.

É, de fato eu faria. O Facebook fez o favor de nos lembrar disso. No dia seguinte ao assalto, ele nos lembrou de um post que minha irmã fez nesse mesmo dia, 6 anos atrás, em que eu e ela estávamos cortando a gravata de outro irmão (O Pedro) para arrecadar dinheiro para sua Lua de Mel.

Hoje sei que só estou de pé por tudo que plantei. Base sólida não cai. Só estou de pé por todas essas conexões, por tanta gente ter solidarizado comigo e minha família.

Hoje sei exatamente o legado que estou deixando para meus filhos. Tenho ciência que a maior e melhor herança que podemos deixar pra eles é o amor, a empatia e a gentileza como ser humano. Uma frase da Banda Ponto de Equilíbrio resume bem esse legado que quero que eles absorvam: “Fale do bem, faça o bem e acreditar no amor.”

Tenho esperança, amor e força para seguir meu caminho e é somente isso que importa. E é somente isso que meus filhos precisam ter para obterem sucesso na vida.

As premissas que aprendemos na infância estão ainda maiores dentro de mim. E um texto, de Eliza Lucinda, chamado Só de Sacanagem, lido pela cantora Ana Carolina em um show, está vivo em meus pensamentos e compartilho com vocês abaixo:

_____

“… Quantas vezes minha esperança será posta à prova? Por quantas provas terá ela que passar?
(…) É certo que tempos difíceis existem para aperfeiçoar o aprendiz, mas não é certo que a mentira dos maus brasileiros venha quebrar no nosso nariz.
Meu coração está no escuro, a luz é simples, regada ao conselho simples de meu pai, minha mãe, minha avó e os justos que os precederam: “Não roubarás”, “Devolva o lápis do coleguinha”, “Esse apontador não é seu, minha filha”.
(…) Pois bem, se mexeram comigo, (…) então agora eu vou sacanear: mais honesto ainda vou ficar. Só de sacanagem!
Dirão: “Deixa de ser bobo, desde Cabral que aqui todo mundo rouba” e vou dizer: “Não importa, será esse o meu carnaval, vou confiar mais e outra vez. Com o tempo a gente consegue ser livre, ético e o escambau.” Dirão: “É inútil, todo o mundo aqui é corrupto, desde o primeiro homem que veio de Portugal”. Eu direi: “Não admito, minha esperança é imortal. Eu repito, ouviram? Imortal! Sei que não dá para mudar o começo mas, se a gente quiser, vai dar para mudar o final!

____

 

Rafa Andrade | Fundador do Sem Choro

Sou Rafa Andrade, pai do João (11 anos) e do Marcelo (1 ano); Fundador do Portal Sem Choro; Produtos de Conteúdo; Empreendedor; Designer Gráfico e Web; Diretor da Agência iMAGON.

Contato: rafael@semchoro.com.br

 

 

Quer receber novidades, cadastre-se abaixo:





Comentários